Trivela

Argentina

A mobilização para o Superclássico entre Boca Juniors e River Plate na final da Copa Libertadores é imensa. Os ingressos geram uma procura insana. E a movimentação da torcida xeneize para adquirir as entradas nesta quinta-feira gerou confusão na Bombonera. Sócios estavam insatisfeitos com a primeira etapa de vendas pela internet e foram até o estádio questionar funcionários da agremiação. Alguns torcedores que não foram em jogos nesta Libertadores conseguiram comprar os bilhetes, enquanto outros que estiveram presentes em todos os compromissos anteriores não conseguiram. A polícia precisou intervir para apaziguar a situação.

As instalações da Bombonera estiveram fechadas ao longo do dia, incluindo o museu. Assim, o Boca ia atendendo os sócios insatisfeitos de dois em dois. No entanto, logo um tumulto se formou e a multidão tentou entrar no clube a força. Assim, a polícia precisou aparecer com escudos, fazendo a proteção da sede. Aos poucos, a aglomeração se dispersou, mas com os sócios querendo um processo mais claro na segunda etapa das vendas, que se seguem nesta noite. Desejam principalmente um filtro a quem foi assíduo nos jogos anteriores da equipe, como outros tantos programas de sócios oferecem.

Daniel Angelici, presidente do Boca, esclareceu que a decisão de tratar todos os sócios de maneira igual foi sua: “Era previsível, não tem como a Bombonera abrigar tanta gente. Nem com duas Bombonera conseguiríamos. Há 29 mil ingressos populares disponíveis e, com mais de 90 mil sócios, um grande número fica de fora. Colocamos as vendas pela internet, metade às 10h e outra metade às 19h. O que posso dizer aos torcedores é que o clube não tem o que fazer, tudo acontece no site e é igual para todos os sócios, porque tomei a decisão de tirar qualquer filtro”.

“O sistema não foi desativado, mas não podemos resolver o descontentamento de milhares e milhares de sócios que não vão poder ingressar. Na Libertadores sempre cobramos mais caro, nunca aplicamos o filtro. Pareceu para nós que era o mais adequado, queríamos dar a possibilidade à massa total de sócios. Por mais que expliquemos o dia todo, algumas pessoas não vão entender”, complementou.

Parte dos ingressos ainda precisam ser destinados à Conmebol e a patrocinadores. Diante do imbróglio, Angelici falou sobre uma possível ampliação da Bombonera: “É algo que todos os membros e líderes têm que discutir seriamente, estamos nos reunindo com grupos para lidar com essa questão. O Boca necessita de um estádio para pelo menos 80 mil pessoas. Temos grandes problemas de capacidade porque todos os anos ficamos com menos lugares por causa das leis”.

Trivela

VOLTAR AO TOPO